banner_white05

Niterói vai implantar novas ciclofaixas


07/05/2016

 

d1fc img0966

Foto: Marcelo Feitosa/ O Fluminense

 

Elas serão criadas até o fim do mês na Av. Marqueês do Paraná, para substituir os cones que hoje demarcam o espaço do ciclista


A Avenida Marquês do Paraná vai ganhar, até o fim deste mês, duas ciclofaixas, uma em cada sentido da via. A nova faixa exclusiva para ciclistas terá o total de 1,2 quilômetro, segundo a Prefeitura de Niterói, e se ligará com as zonas Sul, Norte e Centro, através das estruturas já existentes na Avenida Roberto Silveira, na Rua São Lourenço e na Avenida Ernani do Amaral Peixoto. 

Segundo a prefeitura, foram realizados diversos testes e cálculos para a implantação da nova infraestrutura cicloviária, de forma que não impacte o trânsito no local, que é uma das vias mais movimentadas da cidade.

De acordo com os estudos realizados pelo grupo Mobilidade Niterói, formado por ciclistas, em agosto do ano passado foram contabilizados números bastante significativos. A pesquisa revelou que, em média, cerca de 170 bicicletas passam por hora na Marquês do Paraná durante a manhã. Já no período da noite, esse quantitativo médio sobe para quase 180. 

 

Um pedido antigo dos ciclistas que costumam passar diariamente pela avenida, a implantação da ciclofaixa garante a segurança de quem opta usar a bicicleta como meio de transporte. A coordenadora do programa Niterói de Bicicleta, Isabela Ledo, acredita que a nova estrutura ainda irá gerar um aumento na demanda. “Esta nova infraestrutura na Avenida Marquês do Paraná terá impacto significativo na mobilidade por bicicleta em Niterói, finalizando não só a ligação da Zona Sul como também da Zona Norte com o Centro da cidade. Acreditamos que haverá um aumento exponencial de ciclistas utilizando esta nova ciclovia, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida dos habitantes e do espaço urbano de Niterói”, ressaltou a coordenadora. 

 

Segundo a Prefeitura de Niterói, a meta é chegar a 60 quilômetros de ciclovias, ciclofaixas e ciclorrotas na cidade. As estruturas são distribuídas entre as diversas regiões da cidade, interligadas entre si, e a pontos de conexão com outros modais de transporte. Insegurança – Atualmente, cones de sinalização são utilizados para demarcar a área destinada aos ciclistas na Avenida Marquês do Paraná. Quem pedala pelo local reclama da falta de infraestrutura e da insegurança, já que alguns carros param no acostamento e tomam o espaço. 

 

Além disso, em alguns trechos, veículos derrubam os cones e bloqueiam a passagem dos ciclistas, que se arriscam em meio à pista ou disputam espaço com os pedestres nas calçadas. “Tem dias que passo aqui e os cones estão muito colados na calçada, e fica sem espaço para a gente passar. Além disso, se dois ciclistas pedalam em direções opostas, só tem espaço para um passar, o outro tem que ir para o meio da rua e correr risco de sofrer acidente”, reclamou o ciclista e comerciante Frederico Botelho, de 38 anos. 

 

Por conta da substituição dos cones, que podem ser facilmente removidos, pela ciclofaixa, ciclistas acreditam que a iniciativa possa gerar uma maior sensação de segurança para quem pedala pela avenida.