banner_white05

Seis novos bicicletários serão construídos em Niterói

31/03/2017

 

Sem Ttulo 2

Foto: Leonardo Simplício / Prefeitura de Niterói

 

Novos espaços serão implantados em pontos estratégicos na Região Oceânica da cidade, que também terá construção de ciclovias

 

A Prefeitura de Niterói vai implantar mais seis bicicletários fechados na cidade. Depois da entrega do estacionamento de bikes na Praça Araribóia, no Centro, na segunda-feira passada, os novos espaços serão construídos na Região Oceânica e terão 200 vagas cada um.

Os locais onde os bicicletários fechados serão instalados ainda serão definidos. Outras 100 áreas para guarda de bikes (bicicletários abertos)  também serão implantados ao longo da TransOceânica.

 

A primeira semana de funcionamento do bicicletário da Praça Araribóia foi um sucesso, com grande procura. Da segunda-feira (27) até às 13h desta sexta-feira (31.3), 514 ciclistas se cadastraram para usar o espaço. Durante o dia, o local chegou a ter 120 bicicletas estacionadas. 

 

O secretário Executivo da prefeitura, Axel Grael, comemora os números e afirma que a procura pelo bicicletário, que tem capacidade para abrigar 416 bicicletas, demonstra o crescimento de Niterói como cidade que estimula o uso da bike como meio transporte sustentável.

“A primeira semana de funcionamento do bicicletário foi bem-sucedida. Mostra que estamos no caminho certo ao incentivamos o uso da bicicleta e fazermos investimentos no aumento da malha cicloviária e em espaços onde os ciclistas possam guardar as bicicletas de forma segura. O bicicletário do Centro é mais um grande estímulo para as pessoas usarem a bicicleta. É bastante estratégico não só para quem faz a travessia da Baía de Guanabara de barcas, mas também para quem vem trabalhar no centro de Niterói”, afirmou Grael. 

 

Isabela Ledo, coordenadora do programa Niterói de Bicicleta, avalia que que a primeira semana do funcionamento do bicicletário superou as expectativas da prefeitura, chegando a  1/4 da capacidade total alcançada e um número elevado de inscrições.  

 

"Estamos muito satisfeitos com o movimento nesta primeira semana de funcionamento. Temos verificado que o perfil dos ciclistas é bastante diversificado. Não só os usuários das barcas estão utilizando este novo equipamento, como também pessoas que acessam a cidade através do terminal João Goulart. Nesse sentido, o bicicletário acabou por fortalecer o caráter intermodal da área", explicou. 
  
Região Oceânica ciclável 

Os bicicletários da Região Oceânica integram o programa Pró-Sustentável, que levará obras de infraestrutura, drenagem, pavimentação e mobilidade à região, além de desenvolvimento sustentável e recuperação ambiental, com investimentos de R$ 350 milhões financiados pela Cooperação Andina de Fomento (CAF). 
  
Os seis estacionamentos de bicicleta serão implantados em locais estratégicos e integram o conjunto de iniciativas para a diminuição do volume de carros na Região Oceânica – que possui o maior índice de uso de transporte individual por automóvel da Região Metropolitana do Rio e um dos mais altos do país. 
  
Além dos seis bicicletários, serão implantados 60 quilômetros de ciclovias na Região Oceânica, incluindo os 18 quilômetros da TransOceânica. 
  
A TransOceânica como um todo tem o objetivo de aumentar a quantidade de deslocamentos por transporte coletivo, aumentar também por bicicleta. A implantação de uma malha cicloviária extensa faz sentido nesse contexto. 
  
A concepção da malha cicloviária da Região Oceânica tem como objetivos fazer com que os moradores usem a bicicleta para deslocamentos em curtas distâncias; integrar a bicicleta ao sistema multimodal da região; e transformar a bicicleta numa opção para o turismo. A ciclovia Translagunar, que vai contemplar o Parque Orla de Piratininga e a região brejosa da Lagoa de Itaipu, será  um grande atrativo na região e, através dela, ciclistas e também pedestres terão acesso às belezas da paisagem e aos ecossistemas locais.

 

Fonte: O Fluminense