banner_white05

Ciclistas: mais 300 vagas em Icaraí

 

18/08/2017

 

bicicletrio alexandre vieira0q

Foto: Alexandre Vieira/ Prefeitura de Niterói

 

Com novos pontos que estão sendo instalados na Zona Sul, número de locais para parar as magrelas supera 1800 vagas

 

Os ciclistas de Niterói terão mais 300 vagas para estacionar em Icaraí, na Zona Sul da cidade. A Prefeitura está instalando paraciclos em diversas ruas do bairro. Com estes novos pontos, a cidade terá no total mais de 1800 vagas para bicicletas, incluindo as vagas oferecidas no Bicicletário Arariboia, localizado no centro da cidade, e que já registra 3.100 usuários em apenas cinco meses de funcionamento. A instalação acontece na mesma semana quando é comemorado o Dia do Ciclista.

 

Coordenadora do programa Niterói de Bicicleta, Isabela Ledo explica que a localização dos equipamentos foi apontada pelos próprios ciclistas, através de uma enquete nas redes sociais do programa. Entre os pontos beneficiados estão as ruas Miguel de Frias, em frente ao 198; Gavião Peixoto, próximo ao 92; Av. Jornalista Alberto Francisco Torres próximo ao Clube Central; e o Campo de São Bento.

 

“Além das contribuições dos ciclistas através da enquete online, realizamos um trabalho de campo onde percorremos as ruas do bairro e fomos mapeando os locais com maior demanda de paraciclos – onde percebemos maior concentração de bicicletas presas a postes, árvores e placas. Também tivemos a preocupação de posicionar os equipamentos próximos a pontos de interesse dos ciclistas, como áreas comerciais, de lazer e turísticas”, explica Isabela.

 

A bancária Maria Helena Machado, de 52 anos, aprova a instalação dos equipamentos na cidade. Usuária do Bicicletário Arariboia, ele conta que usa o local diariamente no trajeto casa-trabalho.

 

“Há dois anos faço o percurso de Santa Rosa ao Centro da cidade de bicicleta, mas estacionar na rua sempre foi um problema. A instalação de novos paraciclos é muito importante”, conta Maria Helena.

 

Segundo o programa Niterói de Bicicleta, o número de ciclistas cresceu até 67% em ciclovias da cidade. O levantamento foi realizado no início deste ano e revelou ainda que a maior parte das bicicletas é utilizada como meio de transporte para o trabalho. Os dados apontam que, pela manhã, o pico no número de ciclistas é em direção às barcas, e, no final do dia, ocorre o contrário: o fluxo aumenta no sentido oposto.

 

A cidade já possui 30 quilômetros de malha cicloviária. A meta até 2020 é alcançar a marca de 100 quilômetros de ciclovias, ciclofaixas e ciclorrotas em toda a cidade, incluindo 57 quilômetros na Região Oceânica, por meio do projeto Pro Sustentável.

 

Fonte: O Fluminense